21 janeiro 2015

Fluorescent Adolescent: 16 anos, 2 meses e 5 dias

Essa é a minha carta para gente que se alimenta de maldade.

Gente que acha que a vida real não é nada parecida com filme adolescente americano não prestou atenção no que nos cerca numa vida de adolescente universal.

Sério. Vai me dizer que Meninas Malvadas não parece que se espalhou pela sua cidade? Vai me dizer que não parece que a Regina George encarnou em não só uma mas várias criaturinhas não-tão-de-Deus assim por aí?



Sei que vocês estão há dias e dias me pedindo por um post de Fluorescent Adolescent, mas esse aqui vai ser menos postagem e mais desabafo mesmo, até por que tem algumas coisas que se a gente segurar pra nós mesmas, corremos risco de explosão.

E essa é a minha explosão.

Eu to cansada de gente que não equilibra o veneno com a bondade que eu sei que deve existir. É, eu sou assim. Eu tento a bondade em tudo.
Mas vou começar essa história toda combatendo a hipocrisia: ninguém aqui é um anjo. 
Ninguém aqui - e com aqui quero dizer nós, nessa nação de jovens - passou por toda essa longa fase apenas com pensamentos sadios e em forma de arco-íris. Todos já mostraram a garra, nem que seja uma única vez. Todos aqui já falaram mal de fulana, nem que fosse só pra entrar no assunto da rodinha. 
Mas ok, não é pra se sentir desalmado quanto a isso. Ninguém é de ferro pra não sentir o bem, então ninguém é de ferro pra não sentir o mal. Mas é aí que entra o equilíbrio. Um equilíbrio nada básico onde, de preferência, o bem acaba pesando tanto que desequilibra tudo.




Mas agora que já esclareci que ninguém tá a salvo de falar, quero falar sobre não estar a salvo de ser falado. 

EU TÔ TÃO CANSADA DE GENTE MALVADA.
Eu tô tão cansada de gente que se sente BEM ao enfiar uma adaga em outra pessoa.

Todos somos alvos de comentários maldosos, sejam na escola, sejam na rua, sejam nas festas. Eu nunca fui de me importar tanto assim, mas com toda essa situação blog/exposição/contato com tulistas - e anti-tulistas -, tu acaba percebendo que a situação tá fora de controle.
E por mais que eu tenha uma teoria sobre não dar bola - logo mais explico essa, preciso explicar essa -, hoje eu resolvi responder algumas. 





Essa carta com respostas é para cada um dos comentários enviados ao meu e-mail com a pura intenção de machucar.

Tu, que não me conhece,

Não, eu não sou mimadinha.
Não, não ganho tudo de mão beijada.
Eu JAMAIS ignoraria uma tulista na rua por querer.
Não, minhas amigas não são nada paga-pau.
Sim, pode ter certeza que meus pais tão bem presentes.
Cara, é ÓBVIO que eu não pago pras pessoas verem meu blog (?).
Sim, eu falo - quase - tudo o que eu penso.
Não, eu não sou materialista.
Não, eu não sou "uma vadiazinha rodada que fica com todos pra ver se a fama comprada aumenta".
Eu tô pouco ligando pra quantos seguidores eu tenho no instagram, parem de falar "se acha porque tem seguidores paga pau". Não to obrigando ninguém a dar follow.
"Teus pais sabem que tu paga de otária que sabe das coisas na internet?".
Essa aí em cima eu quis só citar e não responder mesmo. Me digam se tem como responder?
É ó-b-v-i-o que a minha melhor amiga tá comigo pelo o que eu sou.
Eu NUNCA disse que era expert em moda. Por favor parem com a pressão. Parem com toda a história do "se acha tanto que tá dando dica". Eu nunca disse que o blog era só sobre isso e, principalmente, nunca disse que eu era sobre isso. Eu nunca disse que tu iria me encontrar numa festa e eu ia estar alá Kim Kardashian, e é isso o que eu nunca vou entender: primeiro dizem que eu me acho e que eu deveria "cair na real" e depois quando "percebem" que sou uma "garota normal" surtam e acham que não estou me comportando da devida maneira de A Tulista.
O blog não foi criado pra fazer de mim uma estrela lá em cima.
O blog foi criado pra eu ver uma nação de gente que pode construir uma ajuda recíproca pra quando a gente está lá em baixo.
Tem muito de Bella na Tulista e muito de Tulista na Bella. Mas o que nunca muda é que nenhuma das duas tá aqui pra ser mais que ninguém.

Sempre,
Isabella Queiroz, aka, A Tulista.

Então, cada vez que você, você mesmo, que manda comentários inacreditáveis como os acima respondidos, for dar as caras de novo, pensa no tempo que tá perdendo.
Só pense no tempo que está perdendo quando for largar o veneno em qualquer pessoa. Pense primeiro: qual o motivo? Porque se for pra fazer você mesma se sentir melhor, me parece que quem tem um problema para resolver é você, e não o próximo.




Mas ok, agora que eu já conversei com as Regina George, quero falar com as "mocinhas" da história.

Olha, eu sei que ninguém é 100% das vezes má, e ninguém é essa quantia de boa. Então nunca julgue alguém por um ato que você achou levemente maldoso. Não condene ninguém, se não vai acabar condenando todo mundo.

Ó, a teoria que eu prometi explicar é o seguinte.
Quando meu irmão enchia meu saco, eu sempre corria pra minha mãe dizendo que por mais que eu retrucasse, ele não parava de incomodar, e ela sempre me vinha com um "NÃO DÁ BOLA QUE PASSA". É óbvio que eu ficava tipo "bitch, é óbvio que eu não posso ficar parada enquanto ele me incomoda". 
Mas acontece que esse acabou sendo o conselho da minha vida, e por mais que eu tenha a consciência de que muitas de vocês vão dizer que isso é impossível e não vão conseguir fazer, eu não vou mudar a minha opinião.
Acontece que responder a uma ofensa só vai criar uma bola de neve maior ainda e ninguém sabe onde isso vai acabar. Acontece que você não precisa viver na defensiva.




"Nossa Isabella, você é uma metida".
Eu por dentro "bah e agora"
Eu por fora: "aaaaaaaham" com nenhum som, apenas linguagem corporal quase inexistente. 

Eu juro que o #nãodábolaquepassa me ajudou TANTO nos últimos anos que me dá vontade de chacoalhar cada menina e fazer isso entrar na cabeça de todas. 

Não é pra aceitar o que falam. Não é pra acreditar. É só pra deixar o teu eu verdadeiro ser melhor e maior do que isso.

Logo tudo isso e todos esses comentários vão ser algo tão pequeno e tão passado...
Eu prometo. Eu juro de dedinho. Tudo vai se ajeitar.

#nãodábolaquepassa

Da metida, materialista, nada estilosa, mente pequena, mimada e sem amigos verdadeiros
(please bitch),

A Tulista
A Bella
Eu


12 comentários:

  1. #NÃODÁBOLAQUEPASSA. Minha blogueira preferida, não importa se digam que é rica, materialista ou sem amigos. E se fosse, o que de fato iria influenciar na vida de alguns? Se alimentar de repudiar os outros é baixo, é mesquinho, é ridículo. E já que odeiam, que perda de tempo vir falar dela hein. Só digo que shaking it off a vida vai, e vamos tentando. Tu é a melhor, e não é pelos follows, nem pelas viagens, nem pelos posts. É por causa da Bella mesmo.
    With love,
    Gabiiiiiiiiiiiiiii

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Gabi, tu sabe que tu é uma das pessoas que eu sei que mesmo me conhecendo de um jeito assim meio torto, me conhece de alma aberta e pensamento grande. Obrigada pela cia, pelo carinho e por tudo!

      Excluir
  2. é incrível que a partir do momento que tu começa a se expor, as pessoas jogam uma bomba em cima de ti com comentários ridículos sem ao menos conhecer e outros sem sequer ter te visto na vida algum dia... Vejo diversas blogueiras reclamando de gente que fala e joga bomba o tempo todo, é desnecessário. Críticas construtivas são sempre bem-vindas com certeza mas comentários desnecessários tem que se dispensar mesmo, o mais incrível é que são sempre os mesmos comentários. Espero que quando a bomba começar de verdade para mim, eu esteja pronta também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, Isa, te prepara mas também não te preocupa. Bem vinda ao mundo de quem faz o que ama!!!

      Excluir
  3. Baby a inveja vem sempre logo depois do sucesso. E as vezes das pessoas mais próximas. Abstrai e dá atenção só para o que tu conquistou!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode deixar que isso tá bem anotadinho, as coisas boas sempre pesarão mais aqui! ;)

      Excluir
  4. no momento que tu não se importa, tu nao deve dar satisfação a ninguém. logo, midada sim, materialista mais ainda, amigos e pessoas que convivem ao teu redor interesseiras sim. vive com isso. aceita.

    ResponderExcluir
  5. Na verdade, as pessoas são um tanto invejosas,a inveja nunca lava a nada, e o problema nunca é teu o problema é delas, de acharam, que uma ofensa tão pequena, vai te destruir que tu vai largar o blog se trancar em casa e nunca mais ir a lugar nenhum, em quanto 10 invejam milhares te idolatram, e tão contigo sempre, tanto a Bella como a Tulista elas são as mesma, o coração é o mesmo, e é o que vem ai de dentro que te faz ser especial pelas, pessoas por isso realmente não vale apena, e que o #NÃODABOLAQUEPASSA sempre resolve porque sempre passa, e esses comentários inúteis vale pra gente rir, mas nunca chorar, as criticas valem pra gente ver o quão bom é o que fazemos que tem gente que chaga ter inveja, por isso Bella seja sempre a Tulista, e por isso Tulista nunca deixe de ser a Bella porque tu não sabe o quão isso pode ser inspirador para alguém, mas é, valeu Bella, tu é de mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadaaaa! E digo o mesmo pra ti: seja tu mesma, sempre. Porque se tem 1 contra, 100 tão do lado, pode ter certeza. <3 :)

      Excluir
  6. Oi (: essa é a primeira vez que eu passo por aqui , e tenho uma coisa a dizer: nosso lema é o mesmo :D depois de tanto levar, a gente percebe que tem atitudes bem mais interessantes do que "dar bola". Tudo que vai, volta, e o mundo é tão pequeno... O negócio é ter uma fé inabalável em si mesmo e se jogar. A justiça vem sozinha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo! E bem vinda ao Feito de Tule! :D

      Excluir
  7. Oiii, acompanho o blog desde o fim do ano passado, mas nunca havia comentado aqui, só que eu achei esse teu post TÃO FODA que nãoe aguentei, assim como você passa por momentos em que as pessoas só falam mal de ti, essa mesma situação acontece com ourtras milhares de garotas, e tu traduz isso pra todas nós! Obrigada Bella/Tulista!
    Não vamos esquecer que o que vem de baixo não atinge, desde que não seja um formigueiro haha ;)

    ResponderExcluir

Vale rir, chorar e opinar.