24 abril 2014

Século XXI: Garotas Alternativas

Ai ai, essas adolescentes 

Se são todas iguais, é porque são todas iguais, se são muito diferentes, é porque são muito diferentes. Cheias de polêmicas, as mocinhas adoram criar motivo para criticar o estilo de alguém. Mas faz o seguinte: ao invés de criticar o falto de criticarem alguém, criticas a ti mesma. Gasta teu tempo colocando na tua cabeça que já estamos em 2014 e já passamos da fase de se impressionar com tudo o que é mudança.

A geração Tumblr/Instagram/WeHeartIt está mais do que em contato com as garotas de estilos alternativos. Que atire a primeira pedra quem nunca deu Heart em uma imagem de uma garota com coque bagunçado e camiseta de banda no escuro, e atire a primeira pedra quem nunca achou esse tipo de menina super surreal, do tipo que só existe no Tumblr.




Eu ainda não acredito que ha quem diga que caráter e moda não andam juntos. Como assim, pessoar? Okay, não estou dizendo que se você usa roupa rasgada você é um mendigo, ou que se você veste preto é mal humorada. Mas poxa, a moda é um dos maiores e mais incríveis jeitos de mostrar a sua identidade. Sua expressão, sua missão ou seu humor. Das mais românticas com saias rodadas até as mais alternativas com cabelos coloridos e jaquetas militares.

O estilo alternativo é forte por envolver moda, música e atitude num único mundinho. Tribos, movimentos e estilos que falam muito mais do que "não penteei meu cabelo hoje".




Um pouco de história, please:

Nos anos 70, surgiu o movimento Punk. Com rebeldia, o estilo buscava liberdade de expressão com a identidade visual de peças como jaquetas de couro, tachas, camisas e camisetas desgastadas, jeans justos, coturnos...

Chegando aos 80, o que entrou em cena foi o emo/gótico. O emo começou como uma versão mais ajeitada do punk. Muito cuidado com os penteados e atenção aos detalhes, e se intensificou com o gótico, que procurava carregar o rosto de maquiagem, com looks puxados para o roxo, preto e bordô.

Na década de 90, entrou em campo a moda viral grunge. Esse é o estilo urbano confortável e prático, que sofreu polêmica quando se tornou um negócio. A base desse grupo era a ignorância com a moda, mas, com o passar do tempo, o crescimento das tribos e da mídia, o estilo se tornou algo mais comercial. Isso foi motivo dos pioneiros da moda se revoltarem, mas foi o início de uma tendência do mundo fashion que nunca saiu do cenário.

Hoje em dia, mesmo que ainda existam tribos, os estilos foram mais aprofundados e ampliados, de modo que a pessoa não precise se definir como parte dele por inteiro. A liberdade de misturar e reinventar foi o que estimulou a criatividade e formou muita guria com opinião forte e estilo inegável na nossa sociedade.

Um brinde à coragem.




Sempre,
A Tulista

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Cara Isabella Queiroz,
    Devo confessar que ri lendo o post, tamanho era o seu fervor, mas que não deixas de ter razão.
    Não é o que dizem? Aborrecente casou-se com melodrama.
    Eu pelo menos, desemprenho esse papel odiosamente bem u.u não há ninguém que eu conheça mais dramática do que eu. Acho que essa é a melhor fase da vida de uma pessoa, a fase das descobertas, onde realmente estabelecemos nossa personalidade e nossos gostos e preferências. E você fez um ótimo paralelo com a moda: realmente, moda é sinônimo de expressão, e expressão é aquilo que sentimos, materializar isso. Com certeza, você mandou muito bem u.u
    Bom, decidi sair do anonimato (Eeeeh!), mas só porque quando eu disse que você me inspirou, eu não estava brincando: reativei minha antiga conta do blogger, e criei um espaço meu.
    Só gostaria que você soubesse.
    Com amor, sua Tulista mais apaixonada <3
    http://p-e-r-f-e-c-t-girl.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um brinde a favor da liberdade de expressão!
      E um brinde a novas iniciativas! Voa com o blog, garotinha!
      <3

      Excluir

Vale rir, chorar e opinar.